O sentimento de traição impôs aos irmãos Cid e Ciro Gomes, ao governador Camilo Santana e ao prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, a maior ofensiva para reeleger o presidente da Assembleia Legislativa, José Albuquerque. A quarta-feira foi de muita movimentação, articulação e virada de votos. A eleição acontece nesta quinta-feira a partir das 11 horas e Albuquerque concorre com o dissidente Sérgio Aguiar.
Cid, Ciro, Camilo e RC se sentiram traídos pelo conselheiro do TCM, Domingos Filho, que endossou a candidatura do deputado Sérgio Aguiar contra José Albuquerque. Sérgio é filho do atual presidente do TCM, Chico Aguiar, a quem Domingos pretende suceder a partir de janeiro de 2017.
Os irmãos Ferreira Gomes, principalmente, Cid, foram surpreendidos com a decisão de Domingos Filho endossar a candidatura de Sérgio Aguiar. Cid esperava que, como aliado, Domingos endossasse o nome de Albuquerque dentro da estratégia de fortalecer o grupo político com vistas às eleições de 2018.
A decepção de Cid, Ciro, Camilo e RC se transformou em resposta dura, sem meias palavras e perda de tempo. O grupo decidiu romper com o conselheiro Domingos Filho que, com o bloco de partidos puxado pelo PSD e PMB, sonhava – continua sonhando, com uma candidatura ao Governo do Estado ou ao Senado em 2018.
Os aliados de Domingos Filho estarão fora de cargos de confiança no Governo do Estado e na Prefeitura de Fortaleza. Cid, que sempre manifestou relação de lealdade e amizade com Domingos Filho, não escondeu a sua revolta e expôs, durante conversas com deputados estaduais, palavras ásperas para classificar o comportamento do ex-aliado político. Como consequência dessa mudança de rota política, o Governo do Estado e a Prefeitura de Fortaleza começaram a exonerar os apadrinhados políticos de Domingos Filho.