-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

11 novembro 2018

Ex. candidato a prefeito de Seropédica é assassinado a tiros









Miguel Angelo Steffan de Souza, o "Miguelzinho Seropédica", era conhecido por denunciar irregularidades na cidade - Reprodução Facebook


Rio - O ex-candidato a prefeito de Seropédica, Miguel Angelo Steffan de Souza, de 51 anos, também conhecido como "Miguelzinho Seropédica", foi assassinado a tiros na manhã deste domingo, enquanto conversava em uma padaria do município da Baixada Fluminense.

Ele é o segundo político morto em Seropédica em menos de três semanas. No dia 25 de outubro, Rafael de Siqueira Cardoso, também conhecido como "Rafael 39", de 37 anos, foi assassinado a tiros, também em uma padaria. Empresário local do ramo de extração e transporte de minerais, Rafael havia sido candidato a vereador pelo PDT em 2016, ficando como primeiro suplente de sua coligação e assumindo em seguida temporariamente a Subsecretaria de Obras de Seropédica.

Miguel era um forte opositor do atual prefeito da cidade, Anabal (PDT), e usava suas redes sociais para denunciar supostos abusos e irregularidades da gestão. Sua última postagem foi neste sábado: "Governo contrata mas não paga! Dezenas de chefes de família estão sem levar o sustento para casa, pois o digníssimo gestor dessa zona chamada Prefeitura, não pagou aos humildes funcionários!", escreveu ele. O ex-candidato também denunciava crimes da milícia que atua em Seropédica, embora evitasse usar a palavra.


Na ocasião da morte de "Rafael 39", Miguel fez um post em suas redes sociais: "Deram fim de arquivo". No post, ele explicou que o atual governo teria feito um acordo com Rafael para que "algum candidato eleito a vereador da base do governo" fosse "nomeado a secretário, abrindo assim uma vaga e fazendo com que Rafael deixasse de ser suplente para assumir o mandato". No entanto, com o não cumprimento do acordo, Rafael acabou nomeado temporariamente como subsecretário de Obras de Seropédica e "subordinado a Pierre Alexandre (laranja do Waguinho e do Felipe)", o que o teria deixado frustrado e o motivado a deixar o cargo. De acordo com o ex-candidato a prefeito, o assassinato então teria ocorrido porque "Rafael era o arquivo vivo de inúmeras coisas erradas dentro do governo

O Dia
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial