-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

23 novembro 2018

Governo amplia áreas em estado de emergência após caso de peste suína no Sertão de Sobral, Serra da Ibiapaba, e Maciço de Baturité



O Governo do Estado ampliou as áreas consideradas de emergência por causa do recente surto de Peste Suína Clássica (PSC) no Ceará. Em decreto publicado no Diário Oficial na última segunda-feira, 19, as áreas geográficas da região do Sertão de Sobral, da Serra da Ibiapaba e do Maciço de Baturité foram definidas como zonas afetadas. Nelas, uma série de medidas entrou em vigor visando a contenção e a eliminação do vírus.

De acordo com o documento, “ficam interditadas todas as propriedades rurais e outros estabelecimentos com suínos e produtos que representem risco para manutenção ou difusão da doença”.

A necessidade da imediata aplicação de medidas específicas para contenção e eliminação do agente viral foi considerada para prevenir a disseminação do vírus para outras áreas no Estado.


Mesmo estando proibida a saída dos animais das zonas em estado de emergência, a movimentação dos suínos e produtos de risco pode ser feita desde que haja autorização da equipe técnica responsável pela execução das operações de campo.

Ceará

Neste ano, o primeiro caso de Peste Suína Clássica no Ceará foi identificado em outubro no município de Forquilha. A priori a área contaminada havia sido isolada. Dias depois, porém, a doença se espalhou para as cidades de Groaíras, Santa Quitéria e Varjota.


Contaminação

A contaminação acontece geralmente por via oronasal (pelas cavidades do nariz e da boca), sendo a doença considerada fatal quando em estágio mais forte do vírus. A transmissão pode ocorrer por alimentos ou água contaminados; contato com animais infectados; e equipamentos sujos e roupas de indivíduos que mantiveram contato direto com animais doentes.

A detecção é realizada por meio de exames laboratoriais, nos quais é necessária a retirada de sangue para fazer a análise, que demora, em média, sete dias para ficar pronta. A doença não oferece risco à saúde humana, nem afeta outras espécies animais.

O POVO
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial