-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

09 junho 2019

"Como um sorrido desses tão lindo teve que se apagar"




Mãe e filha foram mortas a golpes de faca em Itapipoca (Foto: FOTO: Maria Cecília completaria dois anos de idade )

"Meu Deus. Como isso veio a acontecer. Como um sorriso desses tão lindo teve que se apagar. Isso não devia ter acontecido com você e muito menos com essa princesinha que não sabia nada da vida. Porque esse desgraçado veio a fazer isso? O que passou pela cabeça desse ordinário sem coração para matar uma mãe e filha. Uma criança que não sabe de nada. Ainda estou sem acreditar. Tantos momentos bons que tivemos, tantas brincadeiras, era uma pessoa ótima e muito alegre. Estava sempre sorrindo, que Deus possa receber as duas como todo amor e carinho que merecem"

Esse foi um dos relatos de familiares de Maria Erisvalda Frota, de 31 anos, e sua filha que ainda iria completar dois anos de idade, Maria Cecília. As duas foram mortas a golpes de faca em Itapipoca, a 139,9 quilômetros de Fortaleza, na manhã deste sábado, 08. O principal suspeito do crime é o namorado de Erisvalda.

Outro familiar também lamentou a morte da criança. "Meu coração está despedaçado de tanta saudade de você. Meu bebê, Deus está feliz em te receber. Você era só um bebezinho indefeso. Vou te amar para sempre. Você e sua mãezinha, que nesta manhã de sábado tiveram suas vidas interrompidas pelo monstro que se dizia ser seu padrasto", comentou.

Homenagens a Erisvalda e Maria Cecília circularam nas redes sociais. Pessoas próximas também deixaram depoimentos no Facebook. "Você nem imagina como estou: sem palavras, sem coragem de fazer nada em casa, tenho certeza que o céu está em festa com a chegada de Cecília. Por aqui estamos de coração partido e em choque com essa violência sem tamanho (...).

O crime

O crime aconteceu no bairro Estação, em Itapipoca. A mãe e a filha foram mortas a golpes de faca e o criminoso fugiu. Ele é proprietário de um salão de beleza no centro da Cidade. Uma fonte da Polícia Militar relatou que ele tinha ciúmes do ex-marido da vítima, pai da criança que foi morta. A cidade está revoltada com o crime e a Polícia realiza diligência para encontrar o autor.


Moradores de Itapipoca estão abalados e Polícia faz cerco Mãe e criança foram mortas em Itapipoca. Principal suspeito é o namorado da vítima (Foto: FOTO: Reprodução/Facebook )
Uma fonte da Polícia Militar local falou sobre o principal suspeito do crime. "Ele tem um salão de beleza no centro de Itapipoca e tem a alcunha de Novinho. Se dizia depressivo e quando foi hoje pegou uma faca grande de serrar pão e deu uma furada no pescoço da criança e depois degolou a esposa. Ela ainda tentou se defender. Aí você tira como está a revolta da população", relata o agente de segurança.

Conforme o militar, a Polícia recebeu a informação de que o homem fugiu no sentido da serra da Assunção, que fica entre Itapipoca e Itapajé. A motocicleta utilizada pelo suspeito na fuga foi encontrada. Outras denúncias e boatos também chegam aos policiais militares e policiais civis, que estão em diligência no intuito de capturar o homem. A aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) sobrevoa a região.

Crime anterior

Em agosto de 2015, uma tragédia parecida aconteceu no município de Paracuru. Adriana Moura de Pessoa Carvalho Moraes, 38, e da filha de oito meses, Jade Pessoa de Carvalho Moraes, foram mortas. Nesta situação, a tiros. O acusado do crime é o gaúcho Marcelo Barberena Moraes, de 39 anos, marido de Adriana e pai da bebê. O crime aconteceu em uma casa de praia. A principio, Marcelo sustentou uma versão de que houve um arrombamento na casa. No entanto, a Polícia Civil encontrou a arma do crime e obteve indícios da autoria. Marcelo segue preso desde o caso.

Mais de duas mil mulheres foram mortas no CE entre 2007 e 2017

O Atlas da Violência mostrou que 2.371 mulheres foram mortas no Ceará entre 2007 e 2017. Em todo o Brasil, os registros apontam 5.151 mulheres mortas vítimas de arma de fogo dentro das residências. Em 10 anos, esse tipo de crime aumentou 40,5%. A pesquisa foi elaborada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). O material foi disponibilizado nesta quarta-feira, 4, pela instituição.

O POVO
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial