-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

22 abril 2021

Dos 22 deputados federais cearenses , 11 votaram contra tornar aulas presenciais obrigatórias







Metade do total de deputados federais, ou seja, 11, votaram contra ao projeto que classifica a educação como serviço essencial e proíbe suspensão de aulas presenciais na pandemia. Do total de parlamentares, 17 participaram da votação. Sesis foram a favor do projeto e cinco não participaram do pleito.

A proposta proíbe a suspensão de aulas presenciais durante pandemias e calamidades públicas, exceto se houver critérios técnicos e científicos justificados pelo Poder Executivo.

Durante a sessão, em seu discurso, o deputado Idilvan Alencar (PDT) pediu a retirada de pauta do projeto e afirmou que é uma proposta “que obriga o retorno imediato das aulas”.


“Cada deputado vai prestar contas com os professores de seus municípios”, afirmou.

Eduardo Bismarck (PDT) também criticou a aprovação da proposta. Segundo ele, a matéria desvirtua o termo essencial, porque “obriga uma retomada de aulas de forma açodada, ainda mais no âmbito da educação pública”.

Os petistas José Guimarães e José Airton Cirilo acham que o retorno das aulas é um risco para os profissionais quando os mesmos ainda não foram vacinados.

“Em plena pandemia, não podemos colocar a saúde desses profissionais em risco”, afirmou Guimarães.

“”Infelizmente a insensatez venceu! *sic) Agora, cabe ao Senado impedir esse absurdo,” argumentou José Airton.

COMO VOTOU CADA DEPUTADO

A favor do projeto
. AJ Albuquerque (PP)
. Capitão Wagner (Pros)
. Danilo Forte (PSDB)
. Dr. Jaziel (PL)
. Genecias Noronha (Solidariedade)
. Heitor Freire (PSL)

Contra o projeto
. André Figueiredo (PDT)
. Aníbal Gomes (DEM)
. Célio Studart (PV)
. Eduardo Bismarck (PDT)
. Idilvan Alencar (PDT)
. José Airton Félix (PT)
. José Guimarães (PT)
. Leônidas Cristino (PDT)
. Odorico Monteiro (PSB)
. Pedro Augusto Bezerra (PTB)
. Robério Monteiro (PDT)

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute) criticou a aprovação do projeto de lei. A entidade afirmou que retomar às aulas “sem vacina e sem mudança estrutural no modelo de funcionamento das escolas, seria submeter a população de Fortaleza a um massacre”.

O sindicato ressalta ainda que sem a vacinação de toda a comunidade escolar – professores, estudantes e familiares – e a implementação de “efetivas medidas de segurança”, a retomada das aulas “seria um perigoso vetor para o vírus”.

Ceará Agora 
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial