-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

21 junho 2017

Ataques: 24 municípios do Ceará já registraram ações contra bancos em 2017







24 municípios do Ceará já registraram ações contra bancos em 2017; cinco agências podem fechar
Neste ano, 16 agências bancárias foram alvo de explosões, em 26 ações contra instituições financeiras. A possibilidade de fechamento de agências é criticado pelo Sindicato dos Bancários, que lista prejuízos à população
+


O número de municípios cearenses que registrou ações contra banco já chega a 24, em 2017, mais da metade da quantidade total do ano passado – quando 42 cidades foram alvo. Este ano, 16 agências bancárias foram explodidas, em 26 ações contra instituições financeiras. Após a série de atentados, as agências do Banco do Brasil de Madalena, Pedra Branca, Jaguaribara, Pindoretama e Itapiúna podem ser fechadas. O levantamento foi feito pelo O POVO Online com dados do Sindicato dos Bancários do Estado do Ceará (Seeb/CE).

As estatísticas do Seeb/CE apontam mais duas ações conhecidas como "saidinha bancária" e dois ataques a carros-forte. Do total de 30 ações criminosas relacionadas aos bancos, 26 foram em cidades do interior e quatro na capital cearense. Em algumas ações, como no caso da explosão de uma agência do BB em Antonina no Norte, no último dia 9 de junho, os criminosos cercaram destacamentos policiais e fizeram reféns.

O município de Pedra Branca foi alvo de ataque bancário no dia 2 de março deste ano, mas a agência atacada era do Bradesco. As demais agências citadas pelo Sindicato dos Bancários que estão sob risco de fechamento não registraram ações contra instituições financeiras este ano.

O presidente do Seeb/CE, Carlos Eduardo Bezerra, explica que esteve reunido com a direção do BB em Brasília e critica o fechamento das agências no Estado. "Os bancos estão jogando a toalha, abandonando a população pelo interesse em reduzir atendimento onde há menor rentabilidade", acusa.

Nos cinco primeiros meses do ano, o BB foi atacado 12 vezes, enquanto contra o Bradesco foram registradas dez ações criminosas, de acordo com o presidente. Cinco agências do BB foram fechadas em Fortaleza, em fevereiro último. "Estamos articulando e cobrando, porque não é aceitável que a população deixe de ser atendida. Toda agência atacada agora vai ser fechada?", diz Carlos.

Os prejuízos à população, que precisa se deslocar para cidades vizinhas quando não há cobertura bancária, estendem-se à economia dos municípios, conforme o presidente do Seeb/CE. "Por exemplo, uma agricultora morando em Madalena tem que pegar o dinheiro da aposentadoria em Canindé. Além de pagar transporte, pode acabar fazendo compras em outra cidade. Então, os moradores deixam de gerar receitas na cidade deles", avalia.

O POVO Online procurou a assessoria de imprensa do Banco do Brasil e aguarda resposta sobre a possibilidade de fechamento das agências no Estado.

Levantamento
O POVO considera furtos a caixas eletrônicos como ações contra banco, mas entende que o ataque a carro-forte é um roubo que não afeta unidades de atendimento. Já os roubos à pessoa não são contabilizados como ação contra banco.

Das 26 ações contra bancos, cinco foram tentativas de arrombamentos, em que os criminosos não conseguiram violar os caixas ou ter acesso ao dinheiro. Dessas, em apenas uma os criminosos foram presos por uma equipe do Ronda do Quarteirão no momento da tentativa, sem violação do equipamento.

. A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou, em nota, que “as instituições bancárias são patrimônios privados que devem adotar planos de segurança particulares”.

A secretaria disse ainda desenvolver política de combate a esses tipos de crimes, desde 2014. Em 2017, 61 pessoas foram presas por envolvimento em ataques a bancos e 47 armas de fogo foram apreendidas. “ASSPDS informa que o Comando Tático Rural (Cotar), vinculado ao Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), e o Batalhão de Divisas atuam, de forma ostensiva, no interior cearense com o objetivo de inibir a prática criminosa contra instituições financeiras, entre outros casos. A implantação de bases da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) da SSPDS, em Juazeiro do Norte e em Sobral, possibilitaram também que o tempo resposta da Polícia fosse reduzido significativamente para o atendimento de ocorrências no Interior do Estado”, completa a nota.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial