-- ANUNCIE AQUI ! ---------------------------------------------------------------------------

25 julho 2019

Justiça decretou nesta quinta-feira (25), prisão preventiva do vereador de Sobral, Romário Araújo







O vereador de Sobral Romário Araújo (SD), conhecido como Conselheiro Romário, teve mandado de prisão expedido nesta quinta-feira (25). Ele é investigado por estelionato e crimes contra o patrimônio. A prisão preventiva havia sido assinada pela juíza Joyce Sampaio Fontenelle Durval na última terça-feira (23). A Polícia Civil em Sobral informou estar buscando o vereador, mas Romário ainda não foi localizado.

Em junho, a Polícia Civil já havia pedido a prisão preventiva do vereador, mas o Ministério Público do Ceará (MPCE) recomendou a aplicação de medidas cautelares mais brandas. Entre os casos investigados, estão denúncia de ele ter oferecido emprego a um grupo de pessoas em troca de dinheiro e um caso de venda indevida de vagas de táxi.

Além do afastamento do cargo de vereador, Romário deveria comparecer mensalmente à 3ª Vara Criminal da Comarca de Sobral, não se ausentar da cidade sem prévia comunicação escrita, não sair de casa durante a noite e nos finais de semana, nem manter contato com as vítimas. Ele ainda deveria pagar fiança de 100 salários mínimos, cerca de R$ 100 mil.

O acusado, no entanto, descumpriu as obrigações. Romário não pagou a fiança e não compareceu à 3ª Vara Criminal para prestar esclarecimentos de suas atividades, afirma a juíza Joyce Sampaio Fontenelle Durval, o que motivou a decisão.

"Ressalte-se, entretanto, que a prisão cautelar não ofende o princípio da presunção de inocência", ressalta a juíza no documento.

Até a publicação desta matéria, Conselheiro Romário não foi localizado por telefone. A Câmara Municipal de Sobral também não atendeu às ligações da reportagem.

Histórico

Desde fevereiro, Romário Araújo é investigado por prometer empregos públicos em troca da participação em um curso. Apenas neste caso, pelo menos 36 pessoas prestaram queixa na delegacia contra o vereador. Uma das vítimas afirma que pagou R$ 900 para participar de suposto curso preparatório para o exércício de função na área de fiscalização institucional do Governo do Estado.

Em abril, os vereadores rejeitaram representação que acusava Araújo de quebra de decoro parlamentar. O requerimento, protocolado pelo advogado Lintor Torquato, pedia o afastamento do vereador e a instauração de uma comissão para apurar as denúncias contra o parlamentar do Solidariedade. O recebimento da denúncia, entretanto, foi rejeitado por 10 votos contra, 8 a favor e duas abstenções.

Diário do Nordeste 
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial